Por: Professora Mestre Anita Viudes Carrasco de Freitas
Confira o texto de uma das nossas professora de pedagogia falando sobre a abordagem de desenvolvimento infantil Emmi Pikler, tema do Seminário Internacional que acontecerá no dia 29 de setembro na Unidade Bom Retiro.

Emmi Pikler (1902-1984), medica pediatra nascida em Viena/Áustria, viveu a maior parte de sua vida em Budapeste/Hungria onde trabalhou como médica da família. Logo após o final da Segunda Guerra Mundial (1946) passou a dirigir uma instituição para crianças órfãs, ou afastadas da família, temporária ou definitivamente, também conhecida por Lóczy, nome da rua onde sempre funcionou o Instituto, que atualmente leva o seu nome.

A filosofia do trabalho de Emmi Pikler se concretiza na organização de ambientes de boa qualidade para a infância, na construção de vínculos e nas relações emocionais estáveis, cujos princípios orientadores são: o valor da atividade autônoma de bebês e crianças; a garantia de relação afetiva privilegiada; a tomada de consciência de si mesma e do seu entorno e a busca e manutenção de um bom estado de saúde física e de bem-estar corporal.

Para Pikler, a motricidade constitui a base da vida ativa dos bebês e crianças pequenas, assim, a presença não invasiva do adulto durante suas explorações e movimentos autônomos, aliada à atenção pessoal durante os momentos de cuidados, favorecem a construção e o fortalecimento dos vínculos entre ambos.

Nesse sentido, na Abordagem Pikler, a atenção do adulto se expressa:

  • Nas observações e registros sobre as manifestações de bebês e crianças como forma de conhecê-los na sua individualidade e ritmo próprio.
  • Na organização do entorno e das condições espaciais e materiais adaptadas tanto aos espaços internos quanto externos, roupas adequadas, piso firme, ambiente tranquilo e amplo o suficiente para o movimento e a exploração livre.
  • No respeito e não intervenção aos movimentos, deixando ao bebê toda a iniciativa, evitando que ele se encontre em postura que não conquistou por si mesmo.
  • Na organização do tempo a partir dos ritmos e necessidades individuais das crianças, no momento da alimentação, troca, sono.
  • Na forma de comunicação, mantendo uma fala que instiga o diálogo, a participação e cooperação.
  • No reconhecimento de que os momentos de cuidados – troca, alimentação e banho – são privilegiados e possibilitam intercâmbios ricos, intensos e únicos entre a criança e o adulto. A relação de confiança mútua se constrói e se sustenta nas ações cotidianas, no tom de voz, na suavidade dos gestos e do toque, no respeito e na atenção ao bem-estar corporal do bebê.
A originalidade do trabalho de Emmi Pikler está no aporte conceitual, teórico e prático que possibilita  entender os bebês e as suas capacidades e a especificidade do papel do adulto nessa relação.

Confira programação do evento em http://www.olharesemdialogo.com.br/