Ser professor é…

 

Depoimento, Professora Ana Lúcia Moura Novais

Muitos me perguntam por que eu decidi me tornar professora e lecionar no ensino superior. Grande parte delas se surpreende com a minha resposta: “porque eu queria continuar estudando”. Ao me deparar com a expressão de espanto em seus rostos, prossigo com a explicação: “o que mais gosto de fazer na vida é pesquisa e produção científica; não é por acaso que construí formação acadêmica nas áreas de Letras e Administração. Mestrado e Doutorado implicam muitas horas de dedicação, o que seria difícil de conseguir se eu tivesse optado por outra profissão”.

Há trinta anos atuo como docente e na Faculdade Sumaré são quase doze anos, ou seja, pouco mais de um terço de meu tempo de profissão tem sido exercido nesta instituição. Ao longo desse período, muitas experiências se acumularam, algumas muito gratificantes. A primeira delas aconteceu em 2002, época em que era professora de outra instituição e um aluno, Rodrigo Queiroz, me presenteou no dia dos professores com um quadro que ele mesmo havia pintado. Na tela, com tons predominantes de vermelho, amarelo e laranja, havia uma moça de perfil, com os cabelos ao vento. A obra foi intitulada Freedom, Liberdade, que remetia, segundo o Rodrigo, “à maneira em que eu defendia o ensino como a possibilidade de se libertar pelo conhecimento”.

A segunda experiência memorável ocorreu, recentemente, na Faculdade Sumaré. Em setembro, um ex-aluno, Fernando Nogueira, deu-me de presente de aniversário um lindo vaso de antúrios e me agradeceu muito por tudo que pode aprender em minhas aulas de literatura. O que me tocou neste caso foi o fato de que os antúrios me trouxeram a lembrança de minha mãe, que amava plantas, especialmente antúrios. A gratidão do aluno somada à lembrança saudosa de minha mãe uniu o tocante momento em que associei minha trajetória profissional e minha individualidade.

Ser professor representa o compromisso e a responsabilidade com o conhecimento e a habilidade de despertar nos alunos a vontade por construir uma vida melhor para eles próprios e para nós mesmos. Feliz Dia do Professor!

 

Depoimento, Professora Clarice

É complicado apontar para algo marcante na minha trajetória como professora porque são vários momentos inesquecíveis. Mas, quero deixar documentado um destes momentos que foi a indicação de paraninfa da Turma de Recursos Humanos – RH  1º semestre de 2018.

Para esta turma, ministrei aulas desde o 1º semestre até o 5º semestre. Neste sentido, conhecia cada um como pessoa e seus encontros e desencontros na trajetória da vida.

Na última aula, fizeram uma homenagem encantadora.  Foi neste momento que percebi o quanto é importante o papel do educador e como somos capazes de  fortalecer esperanças, estimular crescimento e principalmente ter a oportunidade de dizer: “As dificuldades e obstáculos ficam mais brandos quando afirmamos: EU POSSO“.

 

Depoimento, Professor Clóvis Furlanetto

Sou professor do ensino superior há 18 anos. Neste período tenho presenciado vários tipos de situações gratificantes como docente e aprendido muito com os alunos que procuram conhecimento para melhorar suas condições de vida.

Neste tempo conheci alunos e alunas que demonstraram coragem e força de vontade para vencer os desafios financeiros e pessoais s fim de escalar os degraus do sucesso acadêmico e profissional. Muitos deles pensam em desistir em algum momento e procuram os professores como orientadores, ou apenas um confidente, para ajudar em alguma dúvida. É neste ponto que devemos ajudar e não definir o caminho, pois a jornada sempre será pessoal e nossos alunos buscam este tipo de orientação.

Em um mundo que muda a todo instante e cheio de novas tecnologias é muito importante levarmos para a sala de aula o conhecimento não apenas acadêmico, mas de vida profissional e pessoal, sem ultrapassarmos os limites que separam o bom senso da arbitrariedade e imposição de conceitos que não devem interferir com a educação correta e imparcial para todos.

Sou grato à vida, às escolhas que fiz e às instituições das quais fiz e atualmente faço parte, que ao longo destes anos permitiram me tornar um professor melhor, que entendem que o ensino é um processo em constante transformação e que nós, educadores, nunca devemos parar de aprender, pois somos parte deste universo em evolução.

 

Depoimento, Professor Mauro Galasso

Dando aulas desenvolvi mais autoconhecimento do que meus 20 anos de experiência no mercado corporativo me permitiram. Aprendi na prática que pessoas que buscam se desenvolver são responsáveis por importantes resultados que o Mundo necessita.

Quando a docência chegou na minha vida, me apaixonei. Descobri um espaço criativo que me propõe desafios continuados; a cada nova turma; a cada novo projeto; a cada novo treinamento.

Hoje me reconheço como um tutor do conhecimento e pretendo apoiar, cada vez mais, para que pessoas “aprendam à aprender” e saibam reconhecer suas próprias habilidades. Pretendo me dedicar a isso enquanto minha saúde (e juízo) me permitir.

Meu cérebro/mente se entrega às práticas pedagógicas e amplia meu amor por co-criar em espaços coletivos. Eu que adoro estar entre pessoas e valorizo conhecimento, me vejo em sintonia.

 

Depoimento, Professor Silvio Bogsan

Uma das coisas que me marcou na Sumaré foi o carinho recebido de um aluno que pediu que eu tirasse foto com sua família no dia de sua colação de grau. Eu estava como parte da mesa, fui o paraninfo da turma naquele semestre, e ao término da cerimônia, enquanto eu aguardava meu Uber, o aluno se aproximou e pediu o favor. Eu fui tirar selfie com ele, os tios e a avó que haviam passado 4 dias num ônibus somente para virem à cerimônia. Ele era o primeiro de sua família que completava o curso superior. Até criança no colo eu peguei aquele dia. Foi emocionante ver a diferença que fizemos na vida dele.

 

 

Depoimento, Professora Andrea Micchelucci

 

Ser professor é ter a oportunidade de contribuir com a sociedade formando indivíduos mais capacitados para enfrentar os desafios contemporâneos com consciência ética e valores morais.

 

 

 

 

Depoimento, Professora Lilian Toyota

Nos dias atuais, ser professor é quase uma profissão marginalizada, pouco valorizada, e em muitos momentos, passa desapercebido. Mas, existem momentos que nos fazem acreditar e renovam a nossa esperança na educação. Quando um aluno traz em seu relato a inserção no mercado de trabalho, que passou num concurso, ou mesmo que o aprendizado tido mudou a sua vida. Essa é a educação que esperamos que todos tenham. Ser professor não é um título, ou um cargo, mas sim, uma ação transformadora da sociedade. Assim como dizia Paulo Freire: Enquanto ensino continuo buscando, reprocurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para para constatar, contatando intervenho, intervindo educo e me educo. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade.

 

Depoimento, Professora Daniela Emmerich de Souza

Ser professor é compartilhar conhecimento, propagar informação, fazer o outro crescer, mostrar caminhos, dar as mãos, e para isso tudo é necessário criar vínculos, se aproximar e compreender o outro, o que exige amor!

O professor sabe que é fundamental conduzir seus alunos, mas, acima de tudo, respeitar o tempo de cada um, compreendendo que ao desenvolvimento humano é constante e contínuo e cada um tem seu ritmo.

Sabe enfrentar os seus e os obstáculos do outro, ajudando-o no que for possível a superar suas perdas e frustrações.

Doa-se sem esperar o retorno, pois reconhece que proteger a emoção é essencial para nutrir as relações saudáveis.

 

 

Quer saber mais sobre a Sumaré acesse.